O ceramista, escultor, ilustrador e pintor Francisco Brennand morreu nesta quinta-feira (19), aos 92 anos, em Recife, sua cidade natal, por uma infecção respiratória – informou o Real Hospital Português.

Brennand, um artista irreverente com décadas de trajetória em Pernambuco, ficou internado por dez dias.

Francisco de Paula Coimbra de Almeida Brennand nasceu em 1927. Iniciou sua carreira artística em 1942 como escultor e pintor. Ele viveu uma temporada na França, onde descobriu a cerâmica através das obras de Pablo Picasso, Joan Miró, Paul Gauguin e do arquiteto Antoni Gaudí.

No começo dos anos 1970, Brennand transformou as ruínas da Cerâmica São João da Várzea, fundada em 1917 pelo próprio pai no ateliê que agora leva seu nome.

Povoou o enorme espaço de corredores e jardins com imagens eróticas e formas fálicas, alegorias religiosas, formas totêmicas quase aborígenes e bestas que ganham vida em ovos portentosos.

“Minha preocupação é a reprodução: a vida é eterna, porque se reproduz e não pode haver reprodução sem sexualidade”, disse Brennand, imponente e com sua inconfundível barba branca, em entrevista à AFP em 2008.

O lugar tem mais de duas mil peças.

As esculturas de Brennand decoram grandes espaços no Brasil e já percorreram importantes cidades da Europa e dos Estados Unidos.

Uma de suas obras mais conhecidas é o “Parque das Esculturas”, que reúne 90 peças no Porto de Recife.

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara, lamentou a morte de Brennand e decretou três dias de luto.

“Uma perda irreparável”, disse Geraldo Julio, prefeito da cidade, que também decretou luto. *AFP