O chanceler de Nicolás Maduro, Jorge Arreaza, questionou na sexta-feira (20) as declarações do encarregado de assuntos especiais dos Estados Unidos (EUA) para a Venezuela, Elliott Abrams, na qual assegura que a Assembléia Nacional (AN) foi “atacada” pela decisão de evitar a reeleição de Juan Guaidó como Presidente do Congresso.

A declaração de Elliott referia-se ao fato de que dos 113 deputados da oposição que conquistaram um assento em 2015 para a AN, mais de um quinto foram expulsos do poder legislativo por diferentes razões, pelo Supremo Tribunal de Justiça (TSJ).

Através do Twitter, Arreaza disse que Abrams e o gerente de negócios americano James Story “tentam desesperadamente salvar suas acusações após um ano de fracasso”.

“Um desperdício de anti-diplomacia, frustração e orgulho combinados. Eles não aprendem lições e não extraem moral: a Venezuela é irrevogavelmente livre e independente ”, afirmou o político do governo Madurista.

Além disso, ele ressaltou que os planos do governo do presidente Donald Trump de promover um “golpe de estado” na Venezuela “fracassaram”.

*Venepress