Nesta sexta-feira (20), Nicolás Maduro defendeu o papel das Forças Especiais de Ação (FAES), cujas incursões em áreas populares em todo o país deixaram morte e luto, de modo que diferentes organizações nacionais e internacionais – incluindo a alta comissária Michelle Bachellet-  pediram que fossem dissolvidos. 

Mas, longe de ouvir as recomendações, Maduro ratificou o grupo armado e o fez no âmbito da celebração de dez anos da Polícia Nacional (PN).

“As FAES são necessárias”, insistiu ele, ao atribuir pedidos a serem dissolvidos para uma campanha internacional.

Ele descreveu o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, Luis Almagro, como “lixo”, depois de garantir que a semana fosse expressa como “ruim”. *NTN24