As autoridades filipinas pediram hoje a milhares de pessoas que vivem no centro das Filipinas para deixarem as suas casas devido à previsível chegada de uma forte tempestade tropical.

A cidade de Borongon, situada na costa leste da ilha de Samar, deverá ser a mais duramente atingida

Phanfone segue a mesma trajetória do tufão Haiyan, o mais devastador registado no país, que provocou mais de 7.300 mortos e desaparecidos em 2013, tendo atingido particularmente a cidade de Tacloban.

As autoridades pediram aos habitantes que vivem nas zonas costeiras, inundáveis ou vulneráveis aos deslizamentos de terras para abandonarem as suas casas.

“Algumas famílias hesitam em abandonar as suas casas porque querem festejar o Natal, mas os responsáveis locais deverão forçálas a fazê-lo se recusarem a ter em conta os alertas”, declarou o responsável regional da defesa civil, Reyden Cabrigas, citado pela Afp.

“O nosso objetivo é não ter qualquer vítima”, sublinhou Cabrigas.

Mais de 21.000 passageiros de ‘ferrys‘, que tentavam regressar a casa durante as férias de Natal, foram bloqueados nos portos do arquipélago, cuja população é maioritariamente católica.

Dezenas de ligações aéreas internas também foram suspensas.

Os serviços meteorológicos filipinos indicaram que a Phanfone, que significa “animal” em laosiano, deverá atingir as Filipinas entre a tarde de hoje e a manhã de quinta-feira e que os ventos poderão atingir 120 quilómetros por hora.

Em média, uma vintena de tufões e tempestades tropicais atingem em cada ano as Filipinas, provocando centenas de mortos.

Em meados de dezembro uma tempestade tropical atingiu o norte do país e provocou 13 mortos. *Com informações do site Notícias ao Minuto.