O ministro de Informação da Venezuela, Jorge Rodríguez, disse nesta segunda-feira que Brasil, Colômbia, Equador e Peru facilitaram a movimentação do grupo armado responsável pelo ataque cometido ontem contra um quartel no país.

Sem apresentar qualquer tipo de prova, Rodríguez afirmou à emissora estatal “VTV” que os governos dos países vizinhos “usam” militares que desertaram das Forças Armadas da Venezuela para “semear a violência, a destruição e a morte”. Além disso, o ministro acusou os líderes opositores Leopoldo López e Juan Guaidó de estarem por trás do ataque.

Para Rodríguez, os governos dos países acusados por ele devem dar explicações sobre o refúgio dado a desertores das Forças Armadas da Venezuela.

Segundo o ministro, esses militares foram treinados na Colômbia. Equador e Peru teriam dado “livre trânsito” ao grupo armado. Já o Brasil é acusado por ele de facilitar a entrada e garantir que eles permanecessem perto da fronteira até o dia do ataque ao quartel.

Ontem, o ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino, disse no Twitter que “um grupo de extremistas da oposição” atacou uma unidade militar instalada próxima à fronteira com o Brasil. Houve confronto e um soldado morreu na troca de tiros.

“A Força Armada Nacional Bolivariana rechaça essas ações desestabilizadores que buscam manter o povo venezuelano em estado de ansiedade e permanece alerta diante de qualquer ameaça que atente contra nossa pátria. Seguiremos preservando a paz da nação”, disse Padrino.

Segundo Rodríguez, o “grupo ultradireitista” que realizou o ataque é liderado por López, líder do partido Vontade Popular, e por Guaidó, reconhecido como presidente da Venezuela por mais de 50 países, entre eles o Brasil.

O ministro acusou o deputado opositor Gilber Cano de ter “participação direta” no ataque que, segundo o governo da Venezuela, estava marcado para ocorrer no dia 15. O parlamentar foi preso na última sexta-feira.

“Desmantelamos por completo essas ações criminais”, disse ele.

Rodríguez ainda afirmou que os militares apreenderam nove lança-foguetes depois do ataque. As armas seriam usadas pelo governo de Iván Duque para atacar uma aeronave colombiana e acusar a Venezuela. A ação, então, justificaria um pedido de intervenção dos Estados Unidos no país. *EFE