A Polícia Federal concluiu um inquérito da Operação Lava Jato na segunda-feira (23), e indiciou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro pelo recebimento de 4 milhões de reais da Odebrecht ao Instituto Lula.

“As evidências mostraram que os recursos (da Odebrecht)… foram abatidos de uma espécie de conta-corrente informal de propinas mantida junto à construtora”, aponta o delegado Dante Pegoraro Lemos, de acordo com reportagem da Folha de S. Paulo.

Além do petista, foram indiciados pelos mesmos crimes o ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil Antonio Palocci e o presidente do instituto, Paulo Okamotto. Ao empreiteiro Marcelo Odebrecht foram atribuídos os crimes de corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

Lula já é réu na primeira instância de Curitiba por outro caso, também envolvendo o Instituto Lula, onde é acusado de receber propina da Odebrecht para a compra de terreno para a sede da instituição.

O novo indiciamento aguarda decisão do juiz Luiz Antônio Bonat. Depois, os autos seguem para o Ministério Público Federal, que decide se apresenta ou não denúncia à  Justiça. Se a acusação for feita, o juiz avaliará se as acusações reúnem indícios de autoria e materialidade dos crimes contra os denunciados e decidirá se abre ou não uma ação penal.