A greve contra a reforma da previdência da França proposta pelo presidente Emmanuel Macron chegou ao 29º dia consecutivo nesta quinta-feira (02/01) com a paralisação ininterrupta dos trabalhadores do setor ferroviário.

Os funcionários da linha ferroviária francesa estão em greve desde o dia 5 de dezembro, se tornando a greve mais longa do setor na história da França. Entre 1986 e 1987, a Sociedade Nacional das Ferrovias (SNCF), empresa responsável pelo transporte de trilhos no país, registrou 28 dias de paralisação.

Nesta quinta-feira, terminais estavam bloqueados em Paris, capital do país, e em outros locais da França. A frota de circulação dos trens internacionais está pela metade, assim como entre regiões e cidades francesas.

Apenas duas das 16 linhas automatizadas, que não precisam de maquinista para operar o trem, estão funcionando normalmente. Pela manhã, cerca de 200 trabalhadores se concentraram em frente uma refinaria na região oeste do país e bloquearam as saídas.

Os sindicatos da França anunciaram que uma nova mobilização para a próxima quinta-feira (09/01). Os organizadores também afirmaram que a partir de segunda-feira (06/01) estão previstas manifestações de trabalhadores liberais, como advogados e profissionais da área petroleira.

Em seu discurso de fim de ano, Macron confirmou a determinação de aprovar a reforma previdenciária, e uma nova negociação entre governo e sindicatos está marcada para a próxima terça-feira (07/01).

O presidente da Confederação Geral do Trabalho (CGT), Philippe Martinez, reagiu negativamente a fala de Macron e disse que “mais greves são necessárias em todos os lugares”.

Greve Geral

As centrais sindicais já convocaram diversas mobilizações em rechaço à reforma de Macron, que foi uma promessa de campanha quando o presidente concorreu à presidência.

No último 17 de dezembro, cerca de 1,8 milhões de pessoas foram às ruas da França para protestar contra a reforma de Macron. No dia, segundo a GCT, mais de 260 manifestações aconteceram em mais de 80 cidades do país.

Esse foi o segundo dia que a greve contabilizou mais franceses na rua. Em 5 de dezembro, no primeiro dia de greve geral, mais de 1,5 milhão de pessoas estavam nas ruas.

Ainda no dia 16 de dezembro, o Alto Comissário para a Aposentadoria na França e idealizador do projeto da reforma da previdência do país, Jean-Paul Delevoye, pediu demissão. O ex-funcionário mantinha cerca de 13 contratos como consultor e ocultou a informação do governo francês, motivo que gerou sua saída. *Opera Mundi