A Bolívia vai eleger seu presidente no domingo, 3 de maio, mais de seis meses depois das polêmicas eleições que provocaram uma convulsão social que resultou na renúncia de Evo Morales e na posterior posse de Jeanine Áñez como presidente interina.

“No domingo 3 de maio, os cidadãos vão votar para eleger a presidência e a Assembleia Legislativa”, confirmou em entrevista coletiva o presidente do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE), Salvador Romero.

A Bolívia voltará às urnas após as eleições de 20 de outubro, vencidas pelo então presidente, Evo Morales, que renunciou em meio a denúncias de fraude, confirmadas pela Organização dos Estados Americanos (OEA).

As autoridades do TSE na ocasião acabaram detidas por envolvimento em fraude eleitoral, enquanto Morales fugiu do país e agora está asilado na Argentina.

No momento há vários pré-candidatos, e o líder nas pesquisas é o jovem líder “cocalero” Andrónico Rodríguez, considerado o herdeiro político de Morales, com 23% das intenções de voto, seguido pelo ex-presidente Carlos Mesa, com 21%, segundo colocado na eleição de outubro.

Rodríguez ainda aguarda a decisão final do Movimento aos Socialismo (MAS), diante da pretensão de outro candidato do partido de Morales, o ex-chanceler David Choquehuanca.

Os líderes civis regionais Luis Fernando Camacho e Marco Antonio Pumari, chaves nos protestos que derrubaram Morales, aparecem com 13% e 10% das intenções de voto, respectivamente.

O cronograma eleitoral deve definir vários atos, como o prazo para a inscrição de candidatos, tempo de campanha, publicidade e data de um eventual segundo turno. *AFP