O ministro da Justiça e da Segurança Pública Sérgio Moro acumulou, em 2019, na Câmara dos Deputados, uma série de derrotas em votações de projetos de grande relevância para a sociedade. 

O ministro sofreu reveses em votações sobre a manutenção do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) em sua pasta; no pedido de tramitação em regime de urgência para o projeto sobre abuso de autoridade; num destaque sobre os efeitos da condenação por abuso de autoridade; e num destaque sobre o juiz de garantias.

Embora continue sendo bem avaliado pela população em pesquisas de opinião, Moro tem enfrentado dificuldade quando depende da classe política.

A rejeição a alguns dos seus projetos em votações nominais chegou a 80%,

Segundo levantamento do jornal O Estado de São Paulo, 80% das propostas de Moro para combater a corrupção e as facções criminosas foram torpedeadas pela maioria formada de deputados federais. 

Na Câmara 5% dos seus membros são réus em processos criminais e outros 45% são objeto de investigações ou denúncias.