Juan Guaidó, presidente interino da Venezuela, juntamente com deputados da oposição foram impedidos pela Guarda Nacional Bolivariana de acessar o Palácio Legislativo para a eleição do Parlamento.

Em um vídeo, que viralizou rapidamente nas redes sociais, Guaidó subiu nas barras e tentou penetrar nas dependências da Assembléia Nacional.

Sem a presença de Guaidó no Palácio Legislativo, o que a oposição denunciou como um “golpe de Estado parlamentar“, o deputado opositor, rival de Juan Guaidó, Luis Parra se autoproclamou  presidente do Parlamento da Venezuela.

Imagens de Parra prestando juramento com um megafone na tribuna presidencial da câmara foram exibidas pela TV estatal VTV. Ele prometeu “sair desta desgraça”, em meio a discussões aos gritos que tornaram o discurso inaudível.

A conta da Assembleia Nacional no Twitter denunciou que a proclamação de Parra foi feita “sem votos ou quórum”.

Minutos depois, Guaidó falou à imprensa e disse que o regime de Nicolás Maduro desmantelou o último poder legítimo que permaneceu no país.

Ele acrescentou que o chavismo tomou o Palácio Legislativo à força e impediu a entrada de um grande grupo de deputados da oposição para que eles não pudessem participar da eleição da nova Junta do Parlamento para o ano 2020.

O deputado chavista Pedro Carreño disse à AFP que a sessão foi iniciada mesmo com a ausência de Guaidó, com a presença de 150 deputados, e que Parra teria recebido 84 votos.  *Com El Nacional e AFP