O JP Morgan reiterou a recomendação overweight (desempenho acima da média do mercado) para o Brasil, e sinalizou que o país é um dos melhores para investir em ações na América Latina em 2020. Só a Colômbia recebeu a mesma recomendação na região.

As ações brasileiras, segundo o JP, vão continuar reagindo aos avanços da agenda de reforma do governo, após a aprovação da reforma da Previdência, informa o site InfoMoney.

Sobre o crescimento econômico, a estrategista do JP, Emy Shayo Cherman, acredita que o PIB do país deve subir entre 2% e 2,5% neste ano, acima do previsto para 2019 (cerca de 1%) e o melhor desde 2013.

“As taxas de juros estão mais baixas e também a percepção de risco, como o CDS brasileiro, que está muito próximo de seu nível mais baixo de todos os tempos, encolhendo 100 pontos-base em 2019. Isso estimula uma fuga da renda fixa para ações.

Riscos

A estrategista alertou que há riscos para o Brasil, que “são os típicos” de toda América Latina: uma choque repentino que surpreende os mercados, proveniente de escândalos, greves, protestos e/ou demissões/trocas de cargos. “Os cisnes negros costumam visitar o Brasil com frequência, e são eles que devemos temer, considerando que em 2019 eles não apareceram”.