As forças policiais israelenses invadiram na segunda-feira (13) um complexo residencial no centro de Jerusalém, onde dezenas de mulheres e menores estavam detidos por um homem em condições de escravidão.

As autoridades suspeitam que o homem, com cerca de 60 anos, esteja abusando e explorando sexualmente as mulheres há anos.

Siga Avante Mundo no Facebook e Twitter

Uma investigação foi iniciada há vários anos, quando a polícia recebeu relatos de uma comunidade fechada que funcionava como um seminário para mulheres e crianças, um pretexto para o que agora as autoridades acreditam ser um culto sexual.   

As evidências reunidas nos últimos dois meses levaram a polícia a acreditar que cerca de 50 mulheres que viviam no complexo foram isoladas da sociedade e de suas famílias, e as crianças foram mantidas em uma área fechada.

As autoridades agora estão investigando se o suspeito estava abusando das crianças, com idades entre cinco e 11 anos, algumas das quais foram levadas para interrogatório por um especialista em proteção infantil.

“O suspeito também puniu as mulheres de maneiras diferentes e roubou dinheiro delas”, disse a polícia.

Oito mulheres acusadas de ajudar o rabino também foram detidas e estão sendo mantidas sob suspeita de escravidão.

Unidades policiais e policiais de fronteira invadiram a área em coordenação com o Centro Israelense de Vítimas de Cultos.  *i24News