A profunda crise na China causou medo de mais contágio global, com o Vietnã fechando aldeias após encontrar novos casos e o Japão se tornando o terceiro lugar fora do continente, na quinta-feira (13), a relatar uma morte.

Embora a Organização Mundial da Saúde tenha elogiado o tratamento da epidemia na China – em contraste com o acobertamento do surto de SARS em 2002-2003 – uma importante autoridade da Casa Branca na quinta-feira disse que Pequim deveria ser mais aberta.

O secretário da Saúde dos EUA, Alex Azar, pediu ao Governo chinês maior “transparência” na gestão da epidemia do novo coronavírus.

Dissemos à China que mais cooperação e mais transparência são os passos mais importantes a dar para uma resposta eficaz”, disse Alex Azar, durante uma conferência de imprensa em Washington.

O responsável pelo departamento de Saúde norte-americano acrescentou que Pequim ainda não aceitou a chegada de equipes de especialistas dos EUA à China, ignorando um pedido que fora feito pela primeira vez no dia 06 de janeiro.

Larry Kudlow, diretor do Conselho Econômico Nacional, disse que o presidente Xi Jinping havia garantido ao presidente Donald Trump que Pequim aceitaria a ajuda dos EUA, mas “eles não nos deixaram”. *Com informações i24News – Lusa