Juan Guaidó, presidente interino da Venezuela, anunciou na quarta-feira (19) o retorno do país à Comunidade Andina de Nações . A nação retirou-se deste órgão em 2006 por decisão do então chefe de Estado Hugo Chávez.

«A Venezuela volta ao CAN, de onde nunca deveria ter saído. Conversei com o presidente da Colômbia, Iván Duque, e representantes do Ministério das Relações Exteriores do Equador, Peru, Colômbia e Bolívia sobre a importância de fazer parte do Sistema Andino de Integração ”, disse Guaidó em sua conta no Twitter .

O também chefe do Parlamento disse que, como um governo legítimo, ele trabalhará para que o país se junte imediatamente às medidas de migração e mobilidade.

“E tornar o processo de integração mais efetivo com uma agenda nas áreas de comércio, investimentos, serviços, interconexão e identidade andina”, acrescentou.

O anúncio ocorre horas depois que Duque expressou seu desejo de que a Venezuela livre e democrática se reintegrasse à CAN.

O presidente da Colômbia lembrou que nas últimas semanas os ministros das Relações Exteriores da CAN se reuniram com Guaidó para lhe dizer que é necessário virar a página em que Hugo Chávez retirou enfaticamente a Venezuela daquele bloco.

“O presidente Guaidó nos disse que quer o retorno da Venezuela à CAN e apoiaremos a volta da Venezuela, livre e democrática, à CAN”, disse Duque.

Representantes diplomáticos de Guaidó no CAN

Na última sessão da Assembléia Nacional, Guaidó nomeou dois novos representantes diplomáticos para o Equador e a Bolívia.

Este é o deputado Winston Flores , que a justiça venezuelana considera fugitivo, que representará Guaidó na Bolívia. Enquanto Héctor Montiel foi nomeado representante diplomático perante o Equador.

CAN

O Pacto Andino, também conhecido como Acordo de Cartagena, foi assinado em 1969 pela Bolívia, Colômbia, Chile, Equador e Peru, enquanto a Venezuela foi incorporada em 1973.

O Chile o abandonou em 1976 durante a ditadura de Augusto Pinochet, enquanto a Venezuela anunciou sua aposentadoria em 2006, depois que Chávez disse que o CAN estava mortalmente ferido pelas negociações de acordos de livre comércio que Colômbia e Peru empreenderam com os Estados Unidos.

Em março de 1996, durante uma cúpula realizada na cidade peruana de Trujillo, foi decidido que o Pacto Andino seria renomeado como Comunidade Andina de Nações. Esta medida entrou em vigor em 1997.

O secretário geral da Comunidade Andina de Nações, Jorge Pedraza, acrescentou a necessidade de recuperar a Venezuela. Ele disse que é o órgão ideal que tem os instrumentos para contribuir para a recuperação da estabilidade econômica da Venezuela e a normalização de seus mercados.

“Devolver os benefícios do CAN à Venezuela é uma tarefa simultânea e, em minha opinião, iminente por parte da Bolívia, Colômbia, Equador e Peru”, acrescentou ele em referência aos governos dos quatro países que reconhecem Guaidó como presidente.

O regime de Nicolás Maduro lida com toda a burocracia na Venezuela, portanto o anúncio de Guaidó terá um alcance praticamente nulo até que o oponente tome o poder. *El Nacional