Lacalle Pou abrirá as fronteiras para milhares de migrantes que desejam residir no Uruguai

O presidente eleito do Uruguai anunciou no domingo que seu governo procurará abrir as fronteiras do Uruguai para que milhares de imigrantes residam em seu país.

Em entrevista à CNN, o presidente eleito disse que durante seu mandato ele gerará condições econômicas para milhares de pessoas de qualquer nacionalidade se instalarem no Uruguai, informou Clarín.

Lacalle Pou explicou que, para conseguir isso, as “regras fiscais e legais atuais” do Uruguai mudarão, reduzindo o capital e os dias de permanência necessários para obter a residência fiscal.

“Precisamos de um país com mais habitantes, onde eles venham trabalhar, investir, ampliar nossa base de consumo”, e disse que diminuir os requisitos não implica tornar-se qualquer tipo de paraíso fiscal.

Como o Uruguai tem as menores taxas de população, o presidente eleito procurará atrair pelo menos 50.000 imigrantes em 5 anos com um perfil específico: “contribuintes de alta qualidade” ou “grandes consumidores” reiteraram o futuro ministro do turismo Germán Cardoso .

Segundo El Observador, os argentinos são um dos principais objetivos de seu plano de migração; no entanto, seu governo deve aumentar significativamente a chegada de estrangeiros, pois os que foram estabelecidos não pertencem apenas à classe alta.

Segundo as figuras do Conselho Nacional de Migração, os argentinos são a segunda nacionalidade que ocupa mais residências processadas, depois dos venezuelanos com 11605 pedidos.

Atualmente, o país sul-americano não possui restrições para conceder residência legal a migrantes do Mercosul e Estados Associados, em comparação com aqueles que vêm de outros países que precisam credenciar meios de subsistência.

Durante a entrevista à CNN, Lacalle Pou disse que procurará “flexibilizar” o Mercosul para conduzir negócios com países fora do bloco.

Ele também ratificou sua decisão de não convidar os líderes da Venezuela, Cuba e Nicarágua para sua cerimônia de inauguração, afirmando que sua decisão de exclusão se baseia no fato de que “eles não são democracias plenas”.

No entanto, ele disse que sua decisão não significa que seu governo corta as relações diplomáticas com esses países, para que suas representações diplomáticas sejam convidadas a assumi-lo.

Em 12 de fevereiro, o Ministério das Relações Exteriores do Uruguai anunciou que quando seu governo entrar no cargo, declarará o governo de Nicolás Maduro como uma ditadura ao mesmo tempo em que reconhecerá Juan Guaidó como presidente legítimo da Assembleia Nacional, no entanto, seu ministro das Relações Exteriores Ernesto Talvi disse que o Uruguai não aceitará um embaixador nomeado por Guaidó, informou o El Observador.

Talvi usou o primeiro artigo da Carta Democrática Interamericana da Organização dos Estados Americanos, que afirma que os povos da América têm o direito de promover e defender a democracia como base para convites recusados. *Epoch Times

Categorias:Américas, Política

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.