O  presidente auto-proclamado da Venezuela, Juan Guaidó, disse na quarta-feira (11) que seu gabinete vai continuar a trabalhar para pressão maior sobre Nicolas Maduro, para sua saída do poder.

Através do seu Twitter, ele sustentou que “o sacrifício de presos políticos” é uma das razões para continuar apoiando a luta democrática e continuar nas ruas.

Ele também lembrou que este 11 de março marca o mês da prisão de seu tio, Juan José Márquez. Tal evento o descreveu como um “sequestro” de Maduro.

“Hoje, enquanto o congressista Renzo Prieto ainda é sequestrado e um mês após o sequestro de meu tio, Juan José Márquez, ratificamos: ‘Vamos continuar até que o façamos!”

*Venepress