Gertrud Steinl, que morreu na semana passada em seu aniversário de 98 anos, foi declarada Justa Entre as Nações por salvar uma mulher na cidade polonesa de Stryj

A agência de notícias alemã dpa citou no domingo o chefe da comunidade judaica de Nuremberg, Andre Freud, dizendo que Steinl morreu na segunda-feira, na véspera de seu aniversário de 98 anos.

Steinl, um alemão sudeto, foi reconhecida em 1979 como Justa Entre as Nações, a maior honra de Israel para os não-judeus que arriscaram suas vidas para salvar judeus durante o Holocausto.

De acordo com o site Yad Vashem , Steinl era superintendente na cidade polonesa de Stryj durante a Segunda Guerra Mundial, quando uma trabalhadora confidenciou que era judia.

Steinl enviou a mulher, Sarah Shlomi (née Froehlich), para morar com seus pais – provavelmente garantindo que ela não fosse deportada para um campo de concentração nazista. *Israel Hayom- The New York Times