A pandemia do coronavírus levou diversos países a tomar medidas duras, que acabam freando bruscamente a atividade econômica. No Brasil, alguns Estados, como São Paulo e Rio de Janeiro, mandaram o comércio fechar as portas, e muitas empresas tiveram que reduzir ou suspender o trabalho.

Alguns empresários têm se manifestado contra as medidas de quarentena e de isolamento social para tentar conter o avanço do novo coronavírus. Eles criticam o fechamento do comércio, dizem que o dano à economia será muito maior do que o dano à saúde pública e afirmam que o trabalhador deveria ter mais medo de perder o emprego do que de ficar doente, destaca o portal UOL.

Para o empresário Junior Durski, dono da rede de hamburguerias Madero e de outros restaurantes o Brasil não pode parar por conta de “5.000 pessoas ou 7.000 pessoas que vão morrer”, números que seriam baixos perto das mortes provocadas por homicídio ou desnutrição no país.

“O Brasil não pode parar dessa maneira. O Brasil não aguenta. Tem que ter trabalho, observa Durski.

Prossegue Durski, “Eu acho que os infectologistas não podem simplesmente decidir que todo mundo tem que parar, independentemente das consequências gravíssimas que o Brasil vai ter na sua economia”.