Homens armados e homens-bomba atacaram um templo sikh-hindu em Cabul nesta quarta-feira (25), e cerca de 150 pessoas foram presas dentro do complexo religioso.

O porta-voz do Ministério do Interior Tariq Arian disse em uma mensagem aos jornalistas que as forças de segurança afegãs bloquearam a área e mataram dois agressores enquanto os protegiam, informou a Reuters .

“A maioria das pessoas foi resgatada, infelizmente, há baixas”, disse ele, acrescentando que as forças de defesa estão aumentando a segurança em torno da área para evitar baixas civis. 

O ataque matou pelo menos uma criança e deixou 15 feridos, de acordo com o primeiro balanço divulgado por Wahidullah Mayar, porta-voz do ministério afegão da Saúde.

Segundo o advogado Narindra Singh Khalsa, encontravam-se no local mais de 150 pessoas que participavam numa cerimónia religiosa.

O Estado Islâmico reivindicou a ação ao mesmo tempo que o porta-voz talibã Zabihullah Mujahed indicava através da rede social Twitter que os combatentes talibãs não estavam envolvidos.

Narender Singh Khalsa, membro do parlamento que representa a comunidade sikh, relatou que  “três homens-bomba entraram em um dharamsala (área do santuário no templo)”, conforme citado pela Reuters.

No início deste mês, os jihadistas do EI mataram 32 pessoas e feriram dezenas de outras em um ataque em uma reunião política em Cabul. *Com agências internacionais