Venezuela detém 39 desertores militares na fronteira colombiana

O ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino López, anunciou nesta quinta-feira (14) a prisão de 39 desertores das Forças Armadas Nacionais da Bolívia (FANB) que estavam tentando entrar pela fronteira com a Colômbia.

Durante uma mesa redonda realizada em Caracas, a capital venezuelana, Padrino López observou que o ataque fracassado, que, obviamente, não era uma “invasão”, procurou “abrir uma frente de tráfico de drogas na Venezuela”, o que é “inexplicável” e “inaceitável”, enfatizou.

“Eles (a oposição) pretendem aproveitar a Venezuela para torná-la uma plataforma para o poder financeiro dos Estados Unidos, que sabemos que o narcotráfico é um elo importante”, disse o alto comando militar venezuelano.

EUA e a Colômbia, segundo o ministro venezuelano, financiaram a operação, equiparam e treinaram os mercenários que também tiveram o apoio do governo colombiano, presidido por Iván Duque, e o narcotráfico. No entanto, as forças da FANB conseguiram impedir a operação lançada em 3 e 4 de maio da Colômbia, por terra e por mar, acrescentou Padrino López.

O governo da Venezuela denunciou à Organização das Nações Unidas (ONU) e seu Conselho de Segurança (CSNU) as ações intervencionistas “repetidas” dos EUA. e Colômbia. O texto destaca que o ataque naval terrorista teve como objetivo assassinar Maduro e outras autoridades de alto escalão como parte de um plano para acabar com o sistema. *Com informações da GeoNoticias

Categorias:Américas, Segurança

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.