Quem era o dono dos produtos químicos que explodiram em Beirute? Ninguém vai dizer

Na história obscura de como um depósito de nitrato de amônio altamente explosivo acabou na orla de Beirute, uma coisa é certa: ninguém jamais se apresentou publicamente para reivindicá-lo.

Os registros de embarque mostram que o navio carregou nitrato de amônio na Geórgia em setembro de 2013 e deveria entregá-lo a um fabricante de explosivos em Moçambique. Mas antes de deixar o Mediterrâneo, o capitão e dois tripulantes dizem que foram instruídos pelo empresário russo que consideravam o proprietário de fato do navio, Igor Grechushkin, para fazer uma parada não programada em Beirute e assumir uma carga extra.

Enquanto a dor e a raiva pela explosão se transformam em agitação civil em Beirute, há sinais de que a investigação prometida pelo governo libanês já voltou sua atenção para Rhosus e Grechushkin, o homem que a tripulação considerava seu proprietário.

(Reuters)