Vaticano avalia acordo com China diante de preocupação com apoio ao sistema comunista

Acordo entre a Santa Sé e China permite ao regime chinês nomear os bispos da China e dá ao papa apenas poder de veto.

O Vaticano está em processo de renovação do acordo assinado há dois anos com o Partido Comunista Chinês (PCC), no qual reconhece os bispos indicados pelo PCC como legítimos, porém o acordo encorajou o regime a perseguir mais católicos que antes.

“Nos dois anos desde que o acordo do Vaticano com a China comunista foi implementado, católicos e cristãos sofreram mais perseguição do que nunca”, disse James Bascom, diretor assistente do escritório de Washington da Sociedade de Defesa Católica Americana de Tradição, Família e Propriedade, em entrevista ao Epoch Times.

O Vaticano esperava que a reaproximação com regimes comunistas como a União Soviética e Cuba, ocorrida em meados do século 20, teria levado a “maior liberdade religiosa para os católicos nesses países”, disse Bascom no programa Crossroads do Epoch Times.

No entanto, tal avanço nas relações nos últimos 60 anos levou a “um maior controle, uma maior perseguição aos católicos e aos cristãos nesses países”, explicou.

O Partido Comunista Chinês não apenas demole santuários católicos, mas força “as imagens de Mao Tse Tung a estarem dentro das igrejas católicas”, acrescentou.

O regime chinês instalou câmeras de vigilância em igrejas católicas para monitorar quem comparece, disse ele. Além disso, os chineses com menos de 18 anos estão proibidos de entrar nas igrejas, de ser batizados ou de receber sacramentos, acrescentou.

O fundador da organização Bascom, o Professor Plinio Corrêa de Oliveira, escreveu em 1963 um livro intitulado “A Igreja e o Estado Comunista. A coexistência impossível”.

“Um regime comunista concede apenas uma liberdade religiosa limitada a um grupo religioso”, escreveu Oliveira para dar uma aparência de liberdade que faz os anticomunistas baixarem a guarda e permitir que o regime se infiltre, penetre e assuma o controle da religião até finalmente destruí-la, de acordo com Bascom.

Isso foi visto na China. Durante a Guerra Fria também aconteceu na Hungria e em Cuba. Também foi tentado na Polônia e no Vietnã, acrescentou.

O cardeal Joseph Zen, bispo emérito de Hong Kong, criticou o acordo com a China desde o início, chamando-o de “traição”.

Em setembro, Zen, de 88 anos, viajou ao Vaticano na esperança de se encontrar com o pontífice para atualizá-lo sobre a situação em Hong Kong e na Igreja Católica na China, informou o Daily Compass.

“A ideia de chegar a acordos com Pequim é louca. É como tentar fazer um acordo com o diabo”, disse Zen ao Daily Compass sobre o acordo entre o Vaticano e a China.

O Zen não conseguiu garantir uma audiência com o Papa Francisco e teve que retornar após quatro dias, informou o Daily Compass. *Com informações do Epoch Times

Categorias:Sem categoria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.