Vândalos danificam dezenas de obras de arte em museus de Berlim

Vândalos esguicharam “um líquido oleoso” em dezenas de obras de arte e objetos em todo o complexo da Ilha do Museu de Berlim, disseram autoridades nesta quarta-feira, levantando questões sobre a segurança das coleções inestimáveis da Alemanha.

A polícia de Berlim tem investigado os ataques em pelo menos 63 peças, realizadas em três museus centrais de Berlim, há mais de duas semanas. Depois de avaliar horas de vídeos de câmeras de vigilância, a polícia disse que eles ainda não tinham pistas claras no inquérito.

Pelo menos 63 obras de arte em três museus foram alvo dos ataques, informou The New York Times. A polícia disse que não tem pistas depois de revisar as imagens de vigilância, e que eles identificaram o líquido, mas não souberam dizer o que era exatamente.

Embora o tempo preciso seja desconhecido, as autoridades acreditam que os danos foram realizados durante o horário regular de funcionamento em 3 de outubro, um feriado nacional quando os alemães marcam a reunificação da antiga Alemanha Oriental e Ocidental. A polícia emitiu um comunicado pedindo ao público e a qualquer um que estivesse no museu durante seu horário de funcionamento naquele dia para enviar-lhes quaisquer dicas ou informações que possam ajudar na investigação.

Cerca de 3.000 pessoas visitaram naquele dia no museu, que está limitando o atendimento por causa do surto de coronavírus. Embora os visitantes entrem com base em horários, ninguém é obrigado a deixar informações pessoais — embora o museu possa tê-lo para visitantes que reservaram ingressos com antecedência on-line.

Em 23 de agosto, Átila Hildmann, um chef vegano e autor de livro de receitas que apoiou as teorias de QAnon, circulou uma mensagem para suas dezenas de milhares de seguidores no serviço de mensagens Telegram que pedia a destruição do museu, que abriga o Altar de Pégamon. Alguns seguidores de QAnon na Alemanha se fixaram naquele enorme monumento grego antigo, acreditando que seja o trono de Satanás descrito no Livro do Apocalipse.

(The New York Times)

Categorias:Educação e Cultura, Europa

Marcado como:, ,