Bolívia pede a ONU, UE e OEA ações para evitar ‘autoritarismo’ do próximo governo

O governo da Bolívia solicitou nesta quinta-feira a Nações Unidas (ONU), União Europeia (UE) e Organização de Estados Americanos (OEA) que compareçam ao país a fim de observar e evitar “práticas autoritárias” do próximo governo, do esquerdista Luis Arce, alegando temer “uma nova crise política”.

A chanceler Karen Longaric enviou notas aos chefes das três organizações internacionais para que considerem o envio de representantes especiais “com o objetivo de observar a atual transição” para o governo do presidente eleito. Segundo ela, o objetivo dessa observação é “prevenir o desenvolvimento de práticas autoritárias que favoreçam uma nova crise política, social e democrática na Bolívia”.

Karen enumerou vários fatos que, para ela, constituem atos contrários à democracia, como a decisão do Parlamento, controlado pelo Movimento ao Socialismo (MAS), partido de Arce, de reduzir o quórum legislativo para aprovar as promoções a general nas Forças Armadas e na Polícia e a nomeação de embaixadores.

A chanceler também denunciou a suspensão na Justiça da ordem de prisão por suspeita de crimes de terrorismo contra Morales, responsabilizado por ter coordenado o bloqueio de alimentos às cidades durante a convulsão de outubro e novembro de 2019. Segundo ela, “o MAS mostra sinais inequívocos de não estar disposto a se submeter às normas democráticas”.

(AFP)

Categorias:Américas, Política

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.