Polícia argentina expulsa manifestantes que ocupam terras contestadas

A polícia argentina entrou em confronto com um grupo de manifestantes na quinta-feira enquanto os retirava de casas improvisadas em uma propriedade contestada ao sul da capital, Buenos Aires. Seis policiais ficaram feridos e pelo menos 30 pessoas foram presas, de acordo com as autoridades.

Centenas de famílias viviam em barracos na cidade de Guernica há mais de três meses, em um reflexo da crescente pobreza e falta de moradia para muitas pessoas na Argentina. A pandemia e os bloqueios destinados a impedir a disseminação do COVID-19 agravaram os problemas econômicos do país.

Os proprietários das terras ocupadas em Guernica tinham ido ao tribunal para recuperar a propriedade.

Muitas pessoas saíram pacificamente quando as forças de segurança entraram na propriedade no início da quinta-feira depois que as negociações entre as autoridades e os ocupantes fracassaram. Alguns resistiram, atirando pedras contra a polícia.

A polícia então demoliu as casas, algumas das quais eram feitas de madeira, papelão e chapas de metal.

Cerca de 600 famílias já haviam assinado um acordo com as autoridades para deixar a propriedade. Em troca, eles recebiam materiais de construção e dinheiro para pagar o aluguel.

(AP)