A China e a OMS não agiram com rapidez suficiente contra o coronavírus

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e a China poderiam ter agido mais rápido no início da epidemia de COVID-19, de acordo com as conclusões de especialistas independentes encarregados de avaliar a resposta global e para os quais a disseminação do vírus se beneficiou de uma “epidemia amplamente oculta” .

No seu segundo relatório, que deverá ser apresentado na terça-feira durante uma reunião da Organização Mundial de Saúde, este painel de especialistas (Grupo Independente de Preparação e Resposta à Pandemia, IPPR) sublinha que “ ao referir-se a à cronologia inicial da primeira fase da epidemia, verifica-se que teria sido possível agir mais rapidamente a partir dos primeiros sinais ”.

Em seu relatório, o grupo determinou que estava “claro” que “medidas de saúde pública poderiam ter sido aplicadas com mais vigor pelas autoridades de saúde locais e nacionais da China em janeiro”.

O painel também criticou a OMS por sua lentidão no início da crise , observando que a agência de saúde da ONU não convocou seu comitê de emergência até 22 de janeiro de 2020 . Além disso, essa instância não concordou em declarar o novo surto de coronavírus como uma Emergência de Saúde Pública de Interesse Internacional (PHEIC) – seu nível de alerta mais alto – até uma semana depois. 

“ Não está claro por que o comitê não se reuniu até a terceira semana de janeiro, nem por que não foi possível chegar a um acordo sobre a declaração (PHEIC) … quando foi convocada pela primeira vez ”, diz o relatório.

Desde o início da crise, a OMS tem enfrentado duras críticas por sua resposta, com alegações de que demorou a declarar uma pandemia e recomendar máscaras faciais. A OMS foi alvo de um ataque especialmente violento do presidente cessante dos Estados Unidos, Donald Trump, que acusou a organização de cometer vários erros no tratamento da pandemia e de ser uma “marionete da China”.

Neste contexto, os Estados Membros da OMS concordaram em maio passado com uma resolução pedindo uma “avaliação imparcial, independente e abrangente para examinar as lições aprendidas e as lições aprendidas com a resposta internacional de saúde coordenada pelo OMS ”em face da pandemia. Portanto, um grupo separado de investigadores da agência chegou a Wuhan na semana passada para investigar as origens do surto.

(Com informações da AFP e Infobae)

Categorias:Mundo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.