No último tiro, a administração Trump acusa a China de ‘genocídio’ contra os uigures

O governo Trump determinou que a China cometeu “genocídio e crimes contra a humanidade” ao reprimir os muçulmanos uigures na região de Xinjiang, disse o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, na terça-feira (19), em um golpe embaraçoso para Pequim pouco antes de o presidente eleito Joe Biden assumir o cargo. 

Pompeo disse que tomou a decisão, o que certamente aumentará ainda mais os laços já desgastados entre as principais economias do mundo, “após um exame cuidadoso dos fatos disponíveis”, acusando o Partido Comunista Chinês de crimes contra a humanidade contra os uigures .

“Acredito que esse genocídio está em andamento e que estamos testemunhando a tentativa sistemática de destruir os uigures pelo partido-estado chinês”, disse Pompeo em um comunicado.

A China foi amplamente condenada por seus complexos em Xinjiang, que descreve como “centros de treinamento vocacional” para erradicar o extremismo. Nega acusações de abuso.

A rara determinação americana segue um intenso debate interno depois que o Congresso aprovou uma legislação em 27 de dezembro exigindo que o governo dos Estados Unidos determinasse em 90 dias se a China cometeu crimes contra a humanidade ou um genocídio.

EUA vão manter a pressão, promete Pompeo

A crítica veemente de Pompeo a Pequim tem sido uma marca registrada de sua gestão, mas antes ele havia alegado genocídio, dizendo repetidamente que o tratamento dado aos uigures lembrava as políticas da Alemanha nazista.

Ele instou todos os órgãos internacionais, incluindo tribunais, a aceitarem casos sobre o tratamento dado pela China aos uigures e expressou confiança de que os EUA continuarão a aumentar a pressão.

Grupos de direitos humanos acreditam que pelo menos um milhão de uigures e outros muçulmanos de língua turca estão encarcerados em campos na região oeste de Xinjiang.

Testemunhas e ativistas dizem que a China está tentando integrar os uigures à força na cultura han majoritária, erradicando os costumes islâmicos, inclusive forçando os muçulmanos a comer carne de porco e beber álcool, ambos proibidos por sua religião.

A China nega irregularidades e afirma que seus campos são centros de treinamento vocacional destinados a reduzir o fascínio do extremismo islâmico após os ataques.

Em resposta à declaração de genocídio dos EUA, a China nesta quarta-feira (20) rejeitou a avaliação de Washington como “mentiras ultrajantes” e “veneno”.

Um genocídio contra a comunidade uigur “nunca aconteceu no passado, não está acontecendo agora e nunca acontecerá na China”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês Hua Chunying.

Ela também acusou Pompeo de fabricar “proposições falsas sensacionais” ao longo de seu mandato. (France24)

Categorias:Mundo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.