França, Polônia e Suécia decidem não aplicar vacina da AstraZeneca em idosos

Agências regulatórias da França, Suécia e Polônia decidiram que a vacina contra covid-19 do laboratório da AstraZeneca desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford não é recomendada para idosos. O argumento é que os estudos clínicos não incluíram informações suficientes sobre a eficácia nesse grupo etário.

Na França e na Suécia, idosos de até 65 anos ainda podem receber o imunizante da farmacêutica. Já na Polônia, o limite de idade é de 60 anos.

Esses não são os primeiros países a questionar a eficácia e os efeitos da vacina em pessoas mais velhas. A Alemanha e a Áustria já haviam contraindicado o uso em pessoas acima de 65 anos. Para a agência regulatória da Itália, a restrição vai além: pessoas acima de 55 anos não devem receber essa vacina.

Apesar das dúvidas de parte de seus membros, a EMA (Agência Europeia de Medicamentos) autorizou na 6ª feira passada (29.jan.2021) o registro definitivo do imunizante em todo o bloco. Ao abordar a eficácia para todas as pessoas adultas, a EMA afirmou que os estudos clínicos realizados no Brasil, no Reino Unido e na África do Sul tinham demonstrado eficácia de 60% da vacina na redução no número de pessoas que adoecem.

O Brasil e o Reino Unido utilizam a vacina da AstraZeneca/Oxford como uma das principais de seus programas de imunização. O primeiro ministro britânico, Boris Johnson, já chegou a defender o imunizante. “Nossas próprias autoridades deixaram muito claro que acham que a vacina AstraZeneca/Oxford é muito boa e eficaz“, disse ele a jornalistas na última 5ª (28.jan).

No Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) alertou que havia poucos dados sobre pessoas idosas ao liberar uso emergencial. No entanto, não houve restrições, apenas a sinalização de que era necessário que novos estudos fossem monitorados.

Para os 6 países da UE (União Europeia) que restringiram o uso para a população idosa, é preciso informações mais específicas sobre esse grupo etário, que é o mais afetado pela pandemia de covid-19. É esperado que até março a EMA receba informações de um estudo clínico realizado nos Estados Unidos com a vacina da AstraZeneca/Oxford com cerca de 30 mil voluntários, sendo muitos deles idosos.

Após a divulgação dos resultados, as agências regulatórias prometem revisar as recomendações de uso e seus programas de imunização, caso os dados sejam satisfatórios.

Até o momento, a UE encomendou 300 milhões de doses da vacina da AstraZeneca/Oxford. O imunizante é importante para o bloco pois facilita o acesso às doses e resolve parte do problema de fornecimento na região. Também na última 6ª (29.jan), a Comissão Europeia estabeleceu normas mais rígidas para a monitoração e bloqueio na exportação de vacinas.

O mecanismo “temporário de transparência e autorização de exportação” foi uma resposta às dificuldades de produção dos imunizante da AstraZeneca/Oxford. Além disso, essa vacina é mais fácil de armazenar e transportar do que as da Pfizer/BioNTech e da Moderna, que precisam de ultra refrigeração e também são mais caras.

(Poder360)

Categorias:Europa, Mundo

Marcado como:, , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.