Cabeça de mármore de 2.000 anos do primeiro imperador de Roma é descoberta

Uma cabeça de mármore de 2.000 anos de Augusto, o primeiro imperador de Roma, foi descoberta em Isernia, uma cidade italiana na região centro-sul de Molise.

O arqueólogo Francesco Giancola fez o achado excepcional durante as obras de restauração para reparar uma parede medieval que desabou devido às fortes chuvas em 2013. “Enquanto estávamos cavando atrás da parede, vi que a terra mudou de cor”, disse ele, à CNN. “Continuamos a cavar com espátulas de precisão e saiu um bloco de mármore. Imediatamente vi que era uma cabeça que reconheci como pertencente a uma estátua de Augusto devido ao cabelo e ao formato e corte dos olhos”, continuou.

A peça de 35 centímetros de altura pode ser datada entre 20 a.C. e 10 d.C., de acordo com Maria Diletta Colombo, arqueóloga do departamento regional do ministério. “Era uma estátua importante, mas não sabemos por que estava aqui”, comenta ela. Isernia, conhecida como Aesernia no mundo antigo, era a casa de um povo itálico chamado Samnites. Mais tarde, tornou-se uma colônia romana.

A cidade foi parcialmente destruída durante a Segunda Guerra Mundial, mas foi reconstruída. Augusto construiu um império que acabaria se estendendo do Reino Unido ao Egito, e se gabou em seu leito de morte que “encontrou Roma construída de tijolos e a deixou de mármore”.

*Revista Planeta

Categorias:Curiosidades, Educação e Cultura

Marcado como: