Empresa israelense desenvolve tecnologia para produzir oxigênio na Lua

A startup israelense Helios garante ter desenvolvido tecnologia para produzir oxigênio no solo lunar. Isso tornará as missões múltiplas e longas à Lua economicamente viáveis ​​e não dependerá da Terra para combustível e outros recursos.

A empresa afirmou em um comunicado que “a iniciativa recebeu financiamento da Agência Espacial Israelense e do Ministério da Energia para desenvolver um sistema que será lançado em duas missões espaciais nos próximos três anos”.

Em entrevista ao Times of Israel, Jonathan Geifman, cofundador e CEO da Helios, declarou: “Planejamos missões com parceiros para demonstrar nosso sistema no espaço”.

Segundo Geifman, a primeira missão pode acontecer no final do próximo ano e a expedição seguinte em três anos. Mas o CEO da Helios frisou que ainda não pode divulgar os nomes dos sócios com os quais a empresa trabalhará.

Um dos principais obstáculos no envio de missões à Lua é o custo de transporte de itens da Terra para a superfície lunar. O lançamento de foguetes com carga útil requer combustível extra, portanto, quanto mais pesada a carga útil, mais combustível é necessário. Esse combustível extra aumenta o peso, o que significa que ainda mais combustível é necessário, diz a companhia em um vídeo do YouTube em seu site.

Uma base lunar e o transporte regular de ida e volta de pessoas e materiais, conforme planejado para a próxima década por empresas espaciais como a SpaceX, requer milhares de toneladas de oxigênio por ano.

A espaçonave SpaceX, quando totalmente carregada, deve pesar 1.200 toneladas, das quais 850 toneladas são apenas oxigênio. Sem falar que o custo é de centenas de milhares de dólares por quilograma para enviar qualquer coisa para a Lua, tornando as missões de longo prazo economicamente inviáveis, a menos que o oxigênio possa ser produzido no próprio satélite natural.

O processo que a empresa israelense desenvolveu é chamado de eletrólise de regolito derretido, usando um reator alimentado por “solo lunar”. Ele derrete esse solo lunar a 1600 graus Celsius e, em seguida, cria oxigênio por meio da eletrólise, que é armazenado para uso.

A empresa simulou a maioria das condições da Lua usando areia semelhante à lunar para testar seu sistema desenvolvido pela University of Central Florida, com base em amostras trazidas da Lua, explicou Geifman.

“A grande incógnita, no entanto, é como a tecnologia funciona na ausência de gravidade e, portanto, as duas missões-piloto estão planejadas para testar o método no local”, disse o CEO. *Universo Notícias

Categorias:Mundo, Tecnologia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.